Quilombola

Uso de ferramentas tecnológicas que possibilita ações de fortalecimento dos povos quilombolas é apresentado em evento da Google

Whatsapp

O desejo de conhecer melhor seu território foi apenas um dos motivos que levou a Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná (Arqmo) a buscar parcerias para realizar o levantamento socioeconômico e o mapeamento territorial das oito associações quilombolas do município. A iniciativa teve seu ponto de partida em 2015 e após treinamentos e capacitações realizadas em Porto Velho (RO), São Paulo (SP) e em Oriximiná (PA) onde foram capacitados 23 jovens que durante os anos de 2017 e início de 2018 realizaram a aplicação de um formulário para coletar dados socioeconômicos utilizando as ferramentas ODK (Open Data Kit) e Google Earth. 

Durante a Conferência na Califórnia a Coordenadora Administrativo da Arqmo, Claudinete Colé, falou sobre a importância do uso das ferramentas para o fortalecimento das associações, preservação da cultura, identidade dos povos quilombolas e meio ambiente. “A nossa finalidade foi divulgar para o mundo como as novas tecnologias (ODK e Google Earth) ajudaram a desenvolver trabalhos importantes das comunidades. Tudo começou quando a gente percebeu que não tínhamos informações sobre os nossos territórios e que sem essas informações seria difícil conseguir projetos e outras coisas para desenvolver as comunidades”, frisou Claudinete ao recordar como tudo começou. 

As ações que possibilitaram aos povos quilombolas de Oriximiná o contato com essas duas importantes ferramentas gratuitas, o ODK (Open Data Kit), software que possibilita a criação de formulários eletrônicos para coleta de dados, Google Earth (Google Terra), Sistema de Informação Geográfica (SIG) ferramenta de navegação por meio de imagens de satélites,  iniciaram em 2015 com as ações do Programa Territórios Sustentáveis que possibilitaram intercâmbios e as capacitações a mais de 20 jovens pertencentes a comunidades quilombolas de Oriximiná. 

Com o uso das ferramentas foi possível realizar o mapeamento dos territórios quilombolas conhecendo costumes e tradições, detalhando as riquezas naturais cachoeiras e outros pontos importantes, como o barracão de Pedra no Erepecuru, o extrativismo por meio da coleta da castanha e os acordos de pesca. O levantamento socioeconômico, possibilitou aos quilombolas saberem qual a origem da água consumida nos quilombos, quais as histórias de cada comunidade, como é feita a pesca, agricultura, extrativismo, uso das ervas medicinais e outros dados importantes ligados a preservação do território e cultura de seu povo.  

O presidente da Equipe de Conservação da Amazônia (Ecam), Vasco Van Roosmalen, ressaltou que os resultados obtidos são fruto da confiança estabelecida entre o Programa Territórios Sustentáveis e a Arqmo. “Nós nos sentimos muito orgulhosos com a apresentação dos resultados obtidos a partir desse trabalho que realizamos com os povos quilombolas, isso demonstra que estamos seguindo no caminho para o fortalecimento das associações. Ainda estamos no começo e todo o resultado só foi possível pelo esforço e determinação de cada quilombola que acredita na força das parcerias ”, destacou o presidente da Ecam. 

O Programa Territórios Sustentáveis é uma iniciativa que busca contribuir para a construção de uma estratégia sustentável e que possui gestão integrada da Agenda Pública, Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) e Equipe de Conservação da Amazônia (Ecam) que conta com o apoio financeiro da Mineração Rio do Norte (MRN), e parceria da Agencia dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid).

Quer saber mais sobre o Programa Territórios Sustentáveis? Acesse nosso site www.territoriossustentaveis.org.br você pode ainda baixar nosso aplicativo na Play Store ou nos acompanhe nas nossas redes sociais Facebook (Programa Territórios Sustentáveis), Instagram (@territoriossustentaveis) e Twitter (@ptsoficial) ou no nosso canal no YouTube.

Foto sobre a Ponte Golden Gate em San Francisco/Califórnia (Vasco van Roosmalen)

Por: Martha Costa – Assessora de Comunicação da Ecam

Jornalista DRT 2974/PA